SINAL DE ALERTA LIGADO Saúde de Bálsamo faz arrastão e trava luta contra mosquito da Dengue a partir desta quarta-feira dia 16 de janeiro

Com índices considerados altos pela vigilância, equipe da Saúde faz mutirão e visita sistematicamente domicílios de moradores acima da linha férrea.

 

Da Assessoria

Corrêa Netto

A situação da cidade de Bálsamo, preocupou as autoridades da saúde do município nesse início de 2019, tanto é que a partir dessa quarta-feira, dia 16 de janeiro com início as 14h00 a equipe da Saúde, setor de Vigilância Epidemiológica irá realizar uma força tarfa em todos os bairros acima da linha férrea . Outros setores também engrossam essa lista preocupante de focos do mosquito Aedes aegypti, onde passa dos 10% de focos do mosquito transmissor da Dengue, como o caso dos Bairros onde existem loteamentos com terrenos vagos e até a área central da cidade.

“O aumento do índice de chuvas nesse início de ano, e o próprio descuido da população fez crescer esse índice que coloca em risco toda a cidade, pois um foco de mosquito da dengue numa residência coloca em risco todos os vizinhos, por isso essa luta não é só da Prefeitura, é principalmente da população”, revela o Diretor da Saúde Manuel da Silva.

“É lamentável essa situação, pois há 2 anos estamos lutando para combater a Dengue, e quando voltamos nas casas tudo que temos visto é a falta de conscientização por parte dos moradores, pois os focos estão sempre nos mesmos locais, os mesmos erros”, relata.

Os locais onde foram encontrados o maior foco de mosquito foram: garrafas pet e de vidro, tambor d’água, latas de tinta, latinhas de cerveja ou refrigerantes, pneus, bebedouro de animais (gato ou cachorro), bebedouro de aves (galinhas), chafariz, pia desativada, lona plástica, tanques, baldes, vaso com planta d’água, pote de manteiga, caixa d’água sem tampa, latas de ervilha e extrato de tomate, tampas de fogão, fogão velho, caixa de gordura e panelas velhas.

Dr. Manuel revela que esse índice é o mais preocupante desde que assumiu em 2017, quando os índices ficaram bem abaixo desse início de ano.

“Temos feito de tudo, não deixamos de visitar uma casa sequer em nossa cidade e cabe agora a nossa população unir com a nossa equipe e trabalhar para combater essa doença que está se alastrando e se dentro de sua casa, no quintal de suas casas ninguém tomar conta, não será a Prefeitura que irá dar conta de resolver esse problema”, concluiu o Diretor.

Comentários

Indique para um amigo

Use este formulário para indicar esta postagem para um amigo.

Mais notícias sobre Saúde